Buscar
  • Everton Lopes

ANSIEDADE, O PRINCÍPIO DA INSANIDADE


Enfim, a Ansiedade tem se tornado uma doença, um mal quase que inevitável nos dias atuais, e tem gerado muitos normais loucos. O mundo virtual tem sido uma gigantesca ferramenta para criar estes normais loucos, o mundo virtual só pode dar à luz a um tipo de pensamento, o virtual.



Para entendermos o contexto desta frase precisamos entender primeiro o que cada palavra que compõe a mesma, não apenas significa, mas quer dizer no contexto específico.


Pense nisso

“Que o presente seja na realidade a dádiva proposta por uma consciência cada vez mais equilibrada”.

DEFININDO A ANSIEDADE


A ansiedade é uma emoção caracterizada por um estado desagradável de agitação interior, muitas vezes acompanhada de comportamento nervoso, como o de se embalar de trás para a frente. É o sentimento desagradável de terror por eventos antecipados, tal como a sensação de morte iminente. Ansiedade não é o mesmo que medo. O medo é uma resposta a uma ameaça real ou percebida, enquanto a ansiedade é a expectativa de uma futura ameaça. A ansiedade é um sentimento de inquietação e preocupação, geralmente generalizado e sem foco, como uma reação exagerada a uma situação que é apenas subjetivamente vista como ameaçadora. É muitas vezes acompanhada por tensão muscular, inquietação, fadiga e problemas de concentração. A ansiedade pode ser apropriada, mas quando experimentada regularmente, o indivíduo pode sofrer vários tipos de doações psicossomáticas e transtornos, como:


  • - Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG); É o mais comum. A pessoa passa praticamente o dia todo ansiosa e em alguns momentos tem uns picos de ansiedade. Geralmente acontecem com um nervosismo por uma situação que não aconteceu ainda, ou simplesmente por receios.

  • - Estresse Pós Traumático; Acontece quando os sintomas de ansiedade começam a surgir após algum ocorrido na vida da pessoa que a deixou traumatizada ou marcada. Pode ser por uma perda muito grande, algum tipo de violência sofrida, por exemplo. Esses pensamentos dos momentos ruins retornam a qualquer instante, até mesmo em sonhos.

  • - Síndrome do Pânico; São períodos de crises intensas de ansiedade, que se desencadeiam por algum tipo de trauma e medo agudo. É muito comum se evitar de ficar em locais com pouco fluxo de pessoas, com medo de não conseguir ajuda durante os ataques.

  • - Transtorno Obsessivo-compulsivo (TOC); São pensamentos, ideias que estão constantes na cabeça da pessoa e ela não consegue viver se não realizar a tarefa, como um ritual.

  • - Fobias; São apresentações de ansiedades de maneira intensa, podendo ser elas relacionadas a um objeto ou situação, por exemplo medo de baratas (tão intenso de forma que a pessoa não pode nem sequer ver a imagem de uma barata), ou também a fobias sociais, como medo descontrolado de falar em público ou de estar no meio dele.

O ser humano sempre pode apresentar algum comportamento diferenciado em alguma parte de sua vida, é totalmente normal, o que não é normal são estes comportamentos perdurarem de maneira constante por um período maior (geralmente utilizamos 3 meses como base, porém por se tratar de sintomas comportamentais não padronizamos), desta forma os sintomas da ansiedade excessiva se apresentam quando você deixa de viver por causa de preocupações ou por medos sem fundamento.

Esse tipo de problema psicológico não é algo que passa sozinho com o tempo, ele deve ser tratado. Normalmente é necessário ajuda psicológica e terapêutica para aprender a superar suas limitações e entender os seus traumas.

DEFININDO PRINCÍPIO


Princípio é definido como o primeiro momento da existência (de algo), ou de uma ação ou processo; começo, início. O que serve de base a alguma coisa; causa primeira, raiz, razão. Proposição elementar e fundamental que serve de base a uma ordem de conhecimentos. Na física é a lei de caráter geral com papel fundamental no desenvolvimento de uma teoria e da qual outras leis podem ser derivadas. Na filosofia é a proposição filosófica que serve de fundamento a uma dedução.

DEFININDO INSANIDADE


Insanidade é o substantivo feminino que significa loucura, demência, doidice, insânia. Também pode servir para indicar a condição de uma pessoa insensata ou insana. Uma famosa citação sobre a insanidade é da autoria de Albert Einstein, que afirmou: Insanidade é continuar fazendo sempre a mesma coisa e esperar resultados diferentes. No âmbito da psicologia a insanidade mental consiste em um estado de fragilidade e confusão da mente.


A insanidade mental pode ser resultado de uma psicose e pode se manifestar através de paranoia, depressão, melanconlia, etc. Na área do direito, em processos penais, alguns réus alegam insanidade mental no momento do ato que está sendo julgado. Assim, essas pessoas afirmam que não tinham noção da consequência da sua atitude. A insanidade mental pode ser permanente (alguém que sempre teve um transtorno psicológico) ou temporária (que é fruto de algum acontecimento traumático e ocorre durante um intervalo de tempo limitado). Nestes casos, psiquiatras e psicólogos forenses estudam o caso para determinar se a inimputabilidade do indivíduo é justificada.


Definidos os pares, então podemos refletir com maior contextualização e firmeza sobre a frase "A ANSIEDADE É O PRINCÍPIO DA INSANIDADE".


Podemos definir então que se a ansiedade é a relação que desenvolvemos com futuro, e o chamamos assim por ainda não existir, entendo ser insano, louco a ocupação, o relacionamento que o ser humano desenvolve com aquilo que não existe, e em muitos casos nunca existirá.

É impressionante como nós seres humanos desenvolvemos a capacidade de relacionamento com o inexistente, isso acontece por que nos tornamos solo fértil para geração de expectativas, acreditamos no que não existe, carregamos pesos que não possuem 1 grama sequer, beijamos lábios que não possuem cor, textura ou forma alguma, nos tornamos peritos em resolver problemas abstratos, problemas' que não tem origens e não causam mudança alguma no contexto que vivemos, me parece que a vida pós-moderna nos tornou sensíveis para ouvir o que não foi dito, entender o que não foi explicado e sentir o que nunca foi tocado.


Enfim, a Ansiedade tem se tornado uma doença, um mal quase que inevitável nos dias atuais, e tem gerado muitos normais loucos. O mundo virtual tem sido uma gigantesca ferramenta para criar estes normais loucos, o mundo virtual só pode dar à luz a um tipo de pensamento, o virtual.


Por esta razão precisamos nos dedicar e dar mais atenção ao mundo real, as palavras que foram ditas, o que realmente foi explicado, sem achismos, precisamos olhar mais nos olhos, nos capacitar e dedicar tempo nos relacionamentos interpessoais, ao invés de produzir inverdades que nos enganam e geram expectativas falsas e consequentemente frustrações reais.


Atualmente somos alvos do que denomino de DEPRESSÃO REAL GERADA POR UM PROBLEMA VIRTUAL. (a psicologia entende que a virtualidade também pode ser pensado em termos psicossomáticos: onde o imaginário subjetivo começa a afetar diretamente o físico, é um mundo não real que foi criado com base em situações reais).

Mais relacionamentos, menos virtualidade.

Mais olho no olho, menos recados por mensagens.

Mais abraços, menos likes.

Mais desconfortos e repreensões pessoais, menos bloqueios em facebook.

Mais informalismo, menos agendas.

Mais rodas de música, menos youtube.

Mais "smart" por livros, menos "phone" com ideias prontas.

Mais atenção, pois as vezes mas é menos.

“Que o presente seja na realidade a dádiva proposta por uma consciência cada vez mais equilibrada”.


Por Everton Lopes

Termos de uso . Política de privacidade . Considerações importantes
Copyright