Buscar
  • Everton Lopes

#02 MORAR NO EXTERIOR - O QUE MUDA PRA SEMPRE QUANDO MORA FORA


Morar no exterior e recomeçar num país desconhecido é uma das experiências mais desafiadoras e, paradoxo, pois ao mesmo tempo que é aterrorizante, também é maravilhoso pelas novas descobertas. Porém, a vida que conhece com certeza irá mudar – e não estou falando apenas de endereço, mas seu mundo interior será outro depois disso.



A gente sabe da importância da luz, no momento em que a gente está no escuro

1 - DAR MAIS VALOR AOS DETALHES


Uma vez que nos distanciamos das nossas origens aos poucos vamos sentindo falta de detalhes, aquele feijão brasileiro, aquele bate papo no final de semana com amigos, talvez os passeios, o almoço em família ou simplesmente a presença do sol na maior parte do ano. Acordar e dar de cara com a vitamina D em forma de luz, não é algo perceptível no dia a dia brasileiro, mas quando se muda para um país frio, este detalhe faz toda diferença.


Então agora, preste mais atenção aos detalhes, as coisas simples, viva um dia de cada vez, valorize mais as amizades e os simples gestos de carinho, quando tomar aquele sorvete ou comer aquele doce típico, sinta o sabor, valorize este momento, as experiencias no aprendizado de idioma, curta o momento, brinque, descontraia e releve muita coisa. Simplesmente viva.


DICA PRA QUANDO VOLTAR PARA O BRASIL

Nunca se esqueça destas experiencias, continue valorizando os detalhes, os momentos de lembrança e saudades sempre ficarão em sua memória, por isso permita que seu subconsciente traga-os pra você sempre, e te ajude a se tornar uma pessoa melhor no dia a dia, que valoriza, aproveita e se dedica mais aos detalhes.



Lar é onde o coração quer estar

2 - O LAR NÃO É MAIS UM LUGAR

Uma das coisas fascinantes em viver no exterior é que aquela sensação de familiaridade com o local vai se transformando aos poucos e você começa e desenvolver um resiliência que antes não tinha.


Seu envolvimento com a cultura local, idioma e tudo que envolve estes dois faz seu coração criar um pensamento ‘bipátrico’, quer dizer 2 pátrias, seu lar passa a ser onde está seu coração e não onde estão suas coisas.


Você de maneira automática passa a gostar e se preocupar com os dois países, é uma sensação interessante e estranha no início, mas é uma realidade.



O amigo deve ser como dinheiro, cujo valor já conhecemos antes de termos necessidade e dele

3 - IDENTIFICAR QUEM REALMENTE SÃO

Quando se mora no exterior é normal alguns tipos de comportamentos partindo de pessoas que você conhece.


Alguns choram, se aproximam e até te surpreendem com tanto carinho antes de sua partida, mas depois que você embarca, simplesmente desaparecem. Bem, eu passei por isso algumas vezes, quando saí pela primeira vez em 2005 para viver fora, ‘nossa como eu sou querido’, pensei. Mas com os meses passando, não recebi ligação, contato, visita, nem um misero e-mail na época. Wow, que horrível, quando voltava para minha terra, nossa!


Novamente bem recebido, novas promessas de contatos e visitas, enfim.... virou rotina... É ruim, mas é verdade.


Morando fora, você (se quiser é claro) adquire a percepção de quem eles realmente são, não estou dizendo que são más pessoas, mas essa percepção é fundamental para você alinhar suas expectativas, e simplesmente saber quem são as pessoas que você realmente pode contar.

A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras” (Aristoteles)

4 - GANHAR MAIS CONFIANÇA / CORAGEM

No exterior, você precisa se virar, correr atrás, buscar informações, aprender outro idioma, a todo momento é confrontado com um novo ponto de uma nova cultura, se mexer com documentos para legalização acaba se tornando especialista em direito internacional (rsrsrsrs).

Bem, em muitas situações estará sozinho e terá que dar um jeito, isso é um treinamento de elite, é dolorido, uma vez que você persiste, te levará a um outro nível psicológico. Se voltar ao Brasil, tudo fica mais simples, as dificuldades do dia a dia você tira de letra e ate começa a pensar, nossa, isso aí é dificuldade? Ela não sabe o que passei no exterior, sozinha e sem conhecer nada.


Vai sobrar coragem pra arriscar, sobrar confiança pra aplicar nos sonhos e projetos.


LEMBRE-SE

Essa reação é uma resposta do seu subconsciente, então é fundamental que você persista, lute, seja estratégica para colocar sempre as informações corretas na sua mente, se conviver com murmuradores, com certeza não terá esta reação, pelo contrario sempre vai encarar a luta u desafio como o primeiro passo da derrota, mas... Este é assunto para outro artigo.


Lar é onde o coração quer estar

4 - RESPEITO AO DIFERENTE

Enquanto está no exterior muitos reclamam de tudo, principalmente em relação a cultura local e idioma. Mas, o interessante é que, quando volta para o Brasil não consegue se adaptar ao próprio país. Existe uma luta interna sendo travada.


Cabe a você decidir como agir e reagir, como você vai encarar estas experiencias só você pode dizer. Porem uma coisa é certa, você terá a maior oportunidade da sua vida para aprender de uma vez por todas a respeitar o diferente, a conviver com o oposto de você até.


Quando se fala em diferente ou cultura diferente, em quase anda tem o errado ou certo. Simplesmente é assim porque é.


Me recordo de situações de confronto entre a pontualidade britânica e a despreocupação geral dos africanos.


Da extrema honestidade de meus vizinhos austríacos em Mank, deixando a bicicleta por até um mês na frente da estação sem ao menos por uma corrente, ou da minha vizinha de casa que colocava suas frutas pra vender e retornava no final da tarde para recolher o dinheiro e o restante das frutas.


E, o que dizer do Oriente Médio assolado por tantas guerras, mas como é bom passear a noite sem ter a mínima preocupação com assalto ou furto, seus valores familiares onde as refeições a mesa vão muito além de comes e bebes, a solidão não é um amigo muito comum por la, até a pobreza em certos lugares não formam delinquentes, conheço dezenas de lugares no Oriente Médio em que a máxima "a ocasião faz o ladrão ", não vale nada.


O que dizer da pobreza em lugarejos do Nepal, onde o frio é um desafio constante, porem a alegria deste povo contradiz qualquer comentário cientifico que exalte a vitamina D, ou aquele estudos antropológicos sobre tipos de pessoas, Cold e Hot Climate.



APROVEITE


Vivendo no exterior você tem a oportunidade singular de crescer melhor, porem nunca se esqueça que, crescer dói. Os desafios podem ser encarados de maneira e com olhares diferentes, então meu conselho é... Aproveite... Toca o Barco.



Por Everton Lopes

| Termos de uso .

| Política de privacidade .

| Considerações importantes

| Copyright

Receba toda semana nossas informações, avisos de lives e conteúdos gratuitos.